terça-feira, 13 de maio de 2008

Outro fato

Tudo hoje me lembra um outro fato
Um período triste que começou hoje
Hoje,
há um ano....

Tudo hoje me lembra um outro fato
Marcado
Datado
Fixado
No calendário e na memória.

O ciclo se repete
dessa vez pela lembrança.
A lembrança da ausência;
Do querer e não poder;
Do precisar e não ajudar;
De uma pessoa especial...
Que nem conheci.

A lembrança da lágrima,
que não enxuguei.
Do colo,
que não dei.
Das mãos,
que não segurei.

Tudo hoje me lembra um outro fato
O abraço atrasado
Tudo traçado
Tudo passado.




~> Abraço especial pro Ravnos.

7 comentários:

Margarida disse...

antes de mais, peço desculpa pela invasao...
depois, nao me atrevo a sair deste blogue sem comentar este post, que achei muito lindo...
fctos, lembranças...dores, e cicatrizes...passado, e futuro.
um beijo

Lyra disse...

Amiga, posso fazer uma pergunta indiscreta? Posso? Obrigada! (risos). Aqui vai:
Já pensate se mudarias alguma coisa se voltasses há exactamente um ano atrás e te visses na situação em que estavas?
Se entrasses numa máquina do tempo fazias as coisas de forma diferente para o teu presente - o hoje - ser diferente?
Desejarias ter um presente diferente do que tens hoje?

Por outro lado, se a tua preocupação é (não sei estou a conjecturar claro) teres magoado alguém...Entendo porque magoar os outros, especialmente se gostamos muito deles, também nos dói a nós...

Mas o tempo curará tudo no outro e em ti. Cicatrizes fazem parte da pele da nossa vida.

Entretanto desejo-te tudo de bom a ti e a esse alguém a quem não chegaste a abraçar mas que, com toda a certeza receberá outros abraços tão fortes como aquele que não lhe deste.


Desculpa a nvasão "psiquiatrica"...e não me leves a mal, não? Nem tu...nem...ele...

Beijinhos e até breve.

;O)

fairy_morgaine disse...

as impossibilidades :) obrigada pela visita :)

* hemisfério norte disse...

a falha
do que não dei
do que não disse
do que não abracei.
compreendo-te perfeitamente.
tb sinto essa falha.
bjs
a.

Edson Marques disse...

Delirium,


Belo poema.

Mesmo os abraços do passado, atrasados, podem emocionar.

Para o sim e para o não...

Abraços, flores, estrelas, todos presentes!

Tainá Simples disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tainá Simples disse...

veria talvez dois comentários, mas não os vi. um deles o meu. nada a destacar, nenhuma ênfase, afinal o buraco em que enfiei minha cabeça é maior do que a vontade deste crápula aqui de tirá-lo dele.