domingo, 11 de maio de 2008

Dia das mães


Bem, li no blog do Mauro Rocha uma singela homenagem às mães, já que hoje é o "dia delas". Mas como disse a ele em meu comentário, essas datas sempre me fazem pensar.
Não sou mãe, mas tenho medo de perder a minha(quem me conhece entende o que digo e sabem o que passo), mas nem por isso acho que todas são especiais.

Existem mães que abandonam seus filhos, também como disse ao Mauro, tanto fisicamente quanto 'psicologicamente'. Filhos que passam por necessidades e suas mães não ajudam. Crianças que entram no mundo das drogas(de forma irreversível) por uma certa falta de atenção, de companheirismo. Ser mãe, pra mim, não é comprar brinquedos, lavar roupa e fazer comida... Isso qualquer pessoa pode fazer. Ser mãe é muito mais que isso, exige um 'sétimo sentido'(já que o chamado sexto sentido, já pertence às mulheres em geral) que vai muito além dessa intuição, é todo um conjunto de formas de lidar com o que se passa.
Como disse, não sou mãe, posso estar falando um monte de merda, mas me admirei com a Lyra quando ela disse que tinha sumido um pouco por causa do seu pequeno que estava doente ou no post que ela se refere a ele. Ser mãe é isso, cuidar, participar... deve ser mesmo maravilhoso o processo de gravidez e a sensação de uma vida crescendo junto à sua mas, infelizmente, ainda existem muitas mães que apenas colocam no mundo mas não cumprem realmente com esse papel tão lindo.

De qualquer forma, fica aqui minha homenagem à minha mãe que está precisando de uma força e à todas as mamães da blogosfera =). Ah, também pra minha duas amigas minhas que provavelmente nem lerão isso, mas estão grávidas(uma de oito meses e outra de cinco). Espero que sejam realmente boas mães.

5 comentários:

Yara disse...

Obrigada pela visita em meu atraverso =)

Gostei da apresentação do blog, e do texto do borboleto.

Volto mais.

Lyra disse...

Querida amiga,

Para quem ainda não é mamã, parece que entendeste tudo muito bem! (risos).
Será o relógio biológico a falar? (mais risos). Nunca se sabe, né?

Obrigada pela tua simpatia e tudo de bom para ti e para as mães neste dia.

Beijinhos e até breve.

;O)

Tainá Simples disse...

Me intrometendo: Srta. Lyra, PARABENS também! ^^ Por esse papel tão dificil e tão fundamental! O mais valioso de toda nossa sócio-vida!

E ainda intrometido: Não fale de relógios biológicos e maternidade, aliado a muitos risos em uma mesma frase... bom, ainda não!
Um Gurí/bacurí(filho) é um bem sem igual, mas na hora inadequada pode privar de algumas coisas...
O time de futibol/baskete(ainda a discutir) está por vir, mas paciência!^^

E do iniciante na blogosfera: FORÇA SOGRINHA!

Delirium disse...

À Lyra: Hahahahaha, bate na madeira, mulher.!

Ao Tainá: Sai fora com essas suas idéias malucas ¬¬

Edson Marques disse...

Delirium,
Gostei muito do teu texto: reflexivo e harmonioso, questionante e quase delicado.

Ser mãe é algo que jamais serei: talvez me ressinta dessa experiência não sentida. Mas consigo imaginar...

Abraços, flores, estrelas!