quarta-feira, 28 de outubro de 2009



nao te quero aos prantos
fortuita
se escondendo pelos cantos
gratuita
esperneando pela vida
nao te quero ferida
soturna
noturna
caminhando perdida
pelos poroes dos teus castelos
triste
em fragelos
trancada
em cadeados pesados
arrastando correntes
nas masmorras
das tuas prisoes emocionais
eu te quero mais
muito mais do que eu imagino
nem sou eu que te quero tanto
e' o destino
o destino te inventou pra mim

~>Original aqui, por José Luis

Um comentário:

joseluis disse...

obrigado
foi um prazer
apareça
bjs