domingo, 12 de dezembro de 2010

11/12/2010

Eu gosto da sensação de lavar o rosto na água tão fria que prendo a respiração e engulo o ar involuntariamente.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Ela diiiisse adeus...

Então é isso. Foi-se embora uma margarida. Uma fase dessa etapa da vida foi vencida. Dentre mortos e feridos, estamos vivas.! É o que importa. Vivas e mais fortes, cada uma do seu jeito, mas vivas e mais fortes pra encarar novas batalhas.
Não desejo nada de mal, pelo contrário, espero que siga seu caminho e seja muito feliz em todas as escolhas que fizer. Até sentirei falta, eu sinto falta quando não tenho alguém pra brigar... Parece que as coisas perdem a graça. Fui mal acostumada pela minha família caótica.
Enfim, é isso. Só pra registrar. =)

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

opa, uma observação...
"Talvez sejam felizes assim: personagens esquecidos de um conto que ninguém escreveu." - Ana Paula

Decadente

A chuva lá fora cai forte. Na Califórnia quase nunca chove. Isso é tortura, só pra relembrar dias e noites chorosos em um cômodo sozinha no Brasil. Solidão é o estado do meu ser.
Os carros passam e aquele som de rodas no asfalto mollhado me preenchem com nostalgia. A luz amarela do poste lá fora refletida na minha janela me deixa com um ar decadente. Ela brilha mais que os outros dias. Ela reflete na água da borda. Da borda da janela. Que reflete na água da borda. Da borda dos meus olhos. Decadentes.
A caneca com chá esfriando no criado mudo e eu pensando na fumaça do cigarro que não fumo. Decadência total, eu sei, já disse.
Eu olho pela janela, pela chuva, pelas lágrimas e vejo a fumaça dos mil cigarros que não fumo e que invadiu o mundo e está subindo rumo aos céus carregada pelo vento lá fora... De repente a porta é posta abaixo com um chute e ela entra sem hesitar, me pega em seus braços, me aperta, me sacode, me enlouquece. Desespero. Irmã maldita. Volte para sua casa de espelhos e me deixe cair na decadência completa que espera qualquer Delírio.
Finais reais e felizes não existem pra quem alucina. Tem de tudo nesse conto de fadas, menos a princesa delicada que tem o dom do 'viver feliz pra sempre' em suas mãos.
Quem já foi Deleite também tem o direito de ser decadência.
Vivo assim esperando que o mundo acabe entre um ataque e outro.



dã, esquece o conto de fadas, a bruxa sempre se fode mesmo o.õ
Ah, época perfeita da minha vida. Maldito inferno astral. Odeio fim de ano. Odeio dezembro. Inteirinho.

Eu tô entrando em desespero. Eu tô morrendo... Socorro...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010



Egoísmo da porra.
Queria enfiar minha cabeça num buraco com dinamite e explodir, sei lá, colocar ela numa daquelas armadilhas de urso e arrancar ela do meu pescoço.
Aperto no peito, indecisão, dúvida, expectativa, saudade, carência, impotência...

aldito tempo que não acaba (porque as frases não precisam de primeiras letras). preciso tomar uma atitude na minha vida.