quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Delírio

(Olavo Bilac)

Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia:
- Mais abaixo, meu bem, quero teu beijo!

Na inconsciência bruta do meu desejo
Fremente, a minha boca obedecia,
E os seus seios, tão rígidos mordia,
Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.

Em suspiros de gozos infinitos
Disse-me ela, ainda quase em grito:
- Mais abaixo, meu bem! - num frenesi.

No seu ventre pousei minha boca,
- Mais abaixo, meu bem! - disse ela, louca,
Moralistas, perdoai! Obedeci...

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Oi...

_Tudo bem?
_Tudo bem! Tudo bem?
_Tudo bem.

sábado, 10 de novembro de 2007

O tempo. Minhas ações.




A chuva cai
Incessantemente.
Ela lava minhas lágrimas,
mas também leva minha maquiagem...
Minha máscara.

Faz frio lá fora
Mas faz mais frio ainda...
Aqui dentro.


Os dias passam
O mundo gira
Permaneço parada
Estagnada em meu mundo,
Meus pensamentos...

Congelando,
Morrendo.

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Perguntas...


Alguém tem um livro com "As respostas pra todas as suas perguntas" pra me emprestar?

Só perguntando...

Alguém checa a sua assinatura na parte de trás do cartao de crédito?
Pra que serve aquilo então, no fim das contas?