sábado, 21 de julho de 2012

Tem gente que vive reclamando que recebe críticas e mais críticas, e que as pessoas sempre tentam passar por cima da alegria delas, mas que ninguém sabe pelo que elas passaram até chegar onde chegaram.
Mas essas pessoas que se preocupam tanto e que são tão afetadas pelas críticas que recebem acabam diminuindo certas pessoas porque elas não passaram pelas mesmas dificuldades mas acabaram sendo mais felizes...
Mas, quer saber o que eu acho? Foda-se as críticas. Eu não ligo pra sua vida, o que você conquista ou deixa de conquistar, mas se você liga pra minha é sinal de que me inveja. Então viva sua vidinha infeliz, cheia de dificuldades e provações, viva sua vidinha medíocre cheia de críticas que chegam e saem de você. Eu sou mais eu.

domingo, 17 de junho de 2012

Sabe, quando me mudei para essa cidade eu pensei que seria mais traumático. Não por mudar, não por sair da casa do meu pai, mas pelo simples fato de deixar Uberlândia que eu amo para morar em Brasília, que eu sempre tive  um pé atrás.
A verdade é que depois de ter feito intercâmbio para os EUA, sem falar a língua direito, sem conhecer ninguém, morando com duas meninas que nunca tinha visto na vida e passar por todo o perrengue que passei, morar em qualquer cidade do Brasil ficou fácil. Talvez também pelo fato de eu ter me mudado e estar morando com a pessoa mais linda do mundo e a gente se dar super bem... Mas mesmo assim, a indignação com o descaso com a população pobre do DF foi intensificada.
Todos os dias são inúmeras notícias de mulheres grávidas e recém nascidos que morrem aguardando atendimento nos hospitais públicos, assaltos que terminam em morte, estupro e abuso sexual de crianças, etc etc etc. Muitas notícias, muitas.
Além disso, andando na rua é possível perceber a falta de calçamento e iluminação pública. Quando você pega um ônibus é preciso fazer figa para que ele não quebre no caminho com você... Se você for pedestre, você tem opção de escolher qual o melhor caminho pra você: Correr entre os carros numa avenida de alta velocidade para atravessar a mesma (Eixão) ou então atravessar pelas passarelas que ficam DE BAIXO da via dos carros, num lugar escuro e sem ter pra onde correr se aparecer um FDP querendo te fazer algum mal.
Um conhecido publicou uma imagem no facebook com a foto do Congresso Nacional (aquele com as duas torres e o disco voador partido dos lados) e na foto havia a seguinte mensagem:
"Aqui tem 513 deputados, Brasília só elegeu 8. Quem elegeu 505? Antes de falar mal da cidade, recolha o LIXO que você mandou pra cá."
Achei muito interessante. Afinal, é fácil falar que a cidade que mais recebe recursos em todo o brasil é uma das que fornece menos qualidade de vida pra população se a gente não pensa que aqui é só o centro do que todo o país escolhe.
Eu sou contra votar no político que te parece menos mentiroso, menos corrupto. Eu sou a favor de não votar até que apareçam candidatos que mereçam cuidar do meu país.

Mas fugi do que eu queria falar, vim só reclamar que uma brasiliense xarope foi encher o saco porque eu não concordei com a hashtag #euamobrasilia, mas agora já acabei com o assunto, tsc.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Eu acredito em amor.

Imagem daqui

Eu acredito no amor que não espera nada em troca, no amor que permanece ao longo dos anos, no amor que não precisa de ligações diárias. Acredito no amor que fica gravado na carne, no músculo, no coração. Acredito no amor a primeira vista, a primeira audição e ao primeiro olfato. E acredito também que "o amor ao primeiro" nunca se vai.
Aquele amor por alguém que não participou muito da sua vida diária mas é tão sincero e tão verdadeiro que nunca deixa de ser cúmplice e recíproco. Nunca.
Amor que cala, amor que ri, amor que abraça, amor que chora e que falta palavras. Amor que te enche os olhos d'água quando vê (além das famosas borboletas na barriga).
Acredito até no amor que não visita, amor que não manda e-mail, amor que evita. Amor que te afasta pra não acabar. Amor que vai sempre continuar sendo amor, e que ao reencontrar a pessoa amada vai continuar trazendo todos os sentimentos que sempre trouxe.

domingo, 15 de abril de 2012

Sobre choro e abraço

Imagem DAQUI

Se me vir, ouvir, ou sentir estar a chorar... Por favor me abrace.
Às vezes espirro, dou crise, coço, destampo a gargalhar, só pra encobrir a lágrima, o vermelho do nariz e as pintinhas que sobressaem ao lado do olho direito.
Se você ao menos suspeitar, mesmo que distante e sem me ver, que eu esteja a chorar... me abrace.
Me abrace forte, com coração e alma. Me abrace sinceramente.
Mas já aviso de antemão, você pode acabar sentindo a minha dor por um momento, aquele aperto no peito, na garganta, o machucado do ego. E então eu me desmancho, me desfaço, viro mar. Mas por favor, não deixe nunca de me abraçar.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Tenho um amigo que parou nos seus 17 anos. Nada contra pessoas de 17 anos, mas ele tem 24, cronologicamente...
Ele é uma pessoa que demorou passar pelas fases que passamos na nossa adolescência. Sempre foi estudioso, responsável e tinha um compromisso fiel com as regras da igreja que a família frequentava.
Aos 14, quando todo mundo começou a beber, mentir pros pais e ir pro bar jogar sinuca, ele estudava. Aos 15, quando todo mundo juntava com seus amigos e ficava andando pela cidade procurando algo pra fazer, ele estudava. Aos 16 quando cada um começou a definir seus gostos individuais, mudar de turma e namorar, ele estudava. Aos 17 quando virou moda assistir anime na cidade, ele estudava. Aos 18 quando o primeiro evendo de anime aconteceu na cidade, ele estudava. Aos 19 quando todo mundo estava penando na faculdade, ele perdeu o vestibular por causa da religião. Aos 20 ele começou a ser reprovado na faculdade que conseguiu entrar por transferência, mudar de turma de amigos, passar finais de semana inteiros fora de casa, andar com garrafa de bebida de baixo do braço, assistir animes com mais frequencia e participar de eventos.
Aos 24 ele continua igual, mas começou a namorar.
Eu sei que são fases da vida, mas além de estar atrasado, ele anda com essas pessoas que VIVEM anime, que não tem expressão própria porque querem imitar animes 100% do tempo. Ele nunca foi muito legal, mas ele é meu amigo e eu tenho quase raiva por ele ainda estar parado no tempo. E não é só porque eu gosto dele e queria que ele andasse com gente legal e namorasse garotas que não sejam loucas de pedra, é por mim mesmo, porque sempre foi um saco aturar ele quando ele estava em uma fase completamente diferente por mais que eu goste dele. É um saco conviver com ele e com as pessoas que ele anda e carrega junto. Pessoas que ele defende com unhas e dentes, pessoas com complexo de Peter Pan.
Eu tive uma época em que não queria crescer e tal, mas passou... Chega um tempo que você cansa de tentar ser diferente do que é porque tem receio de crescer. Espero que ele canse logo.

terça-feira, 13 de março de 2012

A força da nossa mente





Do not underestimate the power of thoughts. Just as water has the power to shift and mould Earth’s landscape, your thoughts have the power to shift and mould the landscape of your life. - Chuck Danes


Não subestime o poder do pensamento. Como a água tem o poder de modificar e moldar as paisagens da Terra, seus pensamentos tem o poder de modificar e moldar as paisagens da sua vida. - Chuck Danes


Quando desejamos algo realmente importante, temos o costume de visualizar essa conquista não dando certo. A ansiedade surge devido a esse pensamento negativo. Um vestibulando que quer muito entrar para o curso de engenharia, apesar de todos os anos de estudos ele ainda se sente despreparado, existem muitos outros que estudaram mais, ele pode errar as respostas na hora de passar para o gabarito... é tanta coisa que pode dar errado... só de pensar dá um aperto no coração. Mas sempre me lembro da Oráculo do Matrix. Se esse rapaz não pensasse que pudesse marcar errado no gabarito provavelmente as chances de isso acontecer seriam menores (lembram da cena em que o Neo derruba o vaso porque a Oráculo pediu pra ele não se desculpar pelo vaso???).

Penso em uma criança correndo, brincando com os amigos, na cabeça dele nada passa além de correr e alcançar os outros. Mas lá vem a mãe gritando para que ele tome cuidado para não cair.

O pensar negativo está implantado no nosso dia-a-dia. E pode parecer clichê pedir para pensarmos de forma otimista mas isso realmente tem um resultado na nossa vida.

Acredito muito em energia, fluxo energético. Quando focamos nosso pensamento em alguma coisa, seja de forma positiva ou negativa (e não venha me dizer que é capaz de focar seu pensamento em algo de forma neutra porque até seu humor no momento influencia) acabamos enviando energia para essa coisa, seja um objeto ou um objetivo. Quantas vezes estamos pensando em alguém e esse alguém aparece ou liga? Isso é transmissão de energia, ou ele recebeu nossa energia e entrou em contato ou nós sentimos a energia da pessoa que estava em processo de aparecer.

Há algum tempo eu ainda pensava "ah, vou esperar o pior dessa situação porque se receber uma notícia ruim eu não me decepciono e se receber uma notícia boa eu me surpreendo", mas eu descobri ultimamente que quanto mais eu espero coisas boas, menores são as chances de receber notícias ruins.

Enfim... acho que o pensamento tem um poder enorme e faz parte das coisas que desconhecemos completamente, mas ele pode moldar as nossas vidas e as nossas conquistas, só depende da gente.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Sonho

Me lembro de duas árvores muito antigas e próximas uma da outra. Elas estavam dentre várias outras árvores de tronco grosso e muito altas no centro de algo que em tempo de chuva se torna um lago. Como o lago das fadas, no Rio.
Esse era o primeiro nível, a primeira parada da nossa "escalada".
Depois eu me lembro que a temperatura estava muito baixa, congelante.
Passamos por um "muro" que na verdade era uma enorme rocha como uma montanha e ao lado haviam casas que dividiam o espaço com a rocha, como se em algum momento tudo fosse rolar barranco abaixo. Voltei para tirar foto. A visão era linda.
Quanto mais subíamos, mais baixa era a temperatura.
Ao chegar no topo nos hospedamos em uma pousada familiar. Já era noite e, cansados, fomos dormir.
Ao acordar, muito cedo, quase madrugada, o calor era insuportável. O demônio havia dominado o corpo de um bebê e após tentar sufocá-lo com as mãos acabamos conseguindo com um travesseiro.
Obviamente o demônio saiu do corpo da criança e começou a nos perseguir, de forma que fugimos por dois níveis da montanha... até que o celular despertou.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Thane

Era uma vez uma menina das ideias enroladas,
Como os cachos do seu cabelo.
E ela tinha a alma tão doída...
Ela sentia tanto as dores do mundo,
Que chegava a doer na gente as dores dela.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

eu nunca vou esquecer daquele menino loiro, magro, de olhos claros e a cara cheia de espinha inflamada que conversou comigo no avião de são paulo a atlanta. ou os estadunidenses são mesmo muito amigáveis em toda a extensão do país ou ele acha que por ser brasileira eu me importo em saber da vida dele. obrigada por me ensinar que quando o cara namora uma menina, a mãe dele não é a "mother in law" dela, ela é só a mãe dele.

Reflexão sobre a transformação

Imagem daqui.

Sem entusiasmo ela se depara com uma pasta quase antiga de downloads. No meio dos poucos arquivos da pasta (uma reportagem, dois vídeos e um filme corrompido) estava um documento escrito por ele há quase pouco tempo, quando não podiam se tocar e a dor era grande.
Ela, lendo o documento de duas páginas e várias fotos, relembrava a busca pela força. A transformação, a mutação. Pensava em tudo que aprendeu com os momentos difíceis, mas quando as coisas ficam fáceis a gente acaba esquecendo metade do que passou.
Pensou também em cada pessoa que fez parte da vida dela naquele tempo, cada música ouvida, cada ligação a longa distância, cada episódio de seriado assistido. Cada dor engolida. Cada lágrima seca. Cada dia que deixou de sair pra poder se desesperar sozinha no quarto onde moravam três. Mas principalmente, no quanto (bem ou mal) certas coisas ficam pra trás. E ficam marcadas, mesmo na pele.
Talvez... Provavelmente... metade daquela força conquistada, daquela dureza forçada ou estupidez desalmada, tenha ficado pra trás. Talvez tenha escorrido com a neve, com o calor, com a chuva, com o suor, até se tranformar em lágrimas outra vez. Talvez tenha diluído, no sangue, no Jack, no Jose, em você. Mas sabe, ela vê, mesmo que ainda não perceba a ligação, ainda que não seja com toda a frieza daquele tempo, ela ainda assim se vê erguendo o rosto e abrindo um sorriso quando tudo o que mais queria era explodir a cabeça alheia.
E aquele rapaz, ah, ele sabe ter paciência com as tempestades. No fundo ele também sabe que aquela mudança toda (e com essa mudança uma loucura de ferir com palavras e ações) só poderia fazer mal a longo prazo e, mesmo com algumas crises (evitáveis em grande parte), eles se cuidam e se importam mais do que qualquer um poderia imaginar.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Desabafo momentâneo.

Eu não entendo qual é o problema da minha família. Minha mãr faleceu há anos e meu pai n faz nada em casa, mas mesmo assim, para eles, eu sou um vegetal. Eu não sei cozinhar, eu não sei lavar roupa, passar, limpar casa, nada... Não que o falecimento da minha mãe tenha me levado a aprender essas coisas, porque desde sempre ela só fez comida quando meu pai vinha em casa, caso contrário ou eu me virava ou passava fome... Mas mesmo assim, eu sinto tanta vontade de abrir a mochila, tirar uma metralhadora e atirar em todo mundo quando me perguntam "e aí Ludmila, aprendeu a cozinhar?" Não, filho da puta, eu morri de fome já, estou aqui na minha forma plasmática. Por que? Por que a única desgraça de filha que estudou a vida inteira em escola pública e ainda assim passou na universidade federal, conseguiu bolsa de intercâmbio, trabalhou desde os 17, etc. tanto por parte de pai quanto por parte de mãe, é também a única filha da puta que os outros cobram de fazer alguma coisa em casa? Por que cada um não cuida da própria vida e da vida dos filhos?

Outra coisa que me irrita são as pessoas acharem que devem mandar no meu futuro. Ah, porque saiu concurso do senado agora, você tem que tentar, que fulano era pobre e hoje tá contruindo uma casa de 800 mil só a reforma... Que se foda, eu não quero ter uma casa que a reforma valha 800 mil reais, eu não quero passar em concurso de senado, cacete, eu quero trabalhar e ganhar meu dinheirinho que dê pra viver e ter um pouquinho de regalias, mas não tentem enfiar goela abaixo a vida que vocês querem porque não, eu não sou tão fútil e vazia quanto vocês. Vai todo mundo tomar no cu.

Gente pra falar "vai fundo, segue o seu caminho e faz o que você quiser. Você sempre mostrou ser responsavel." quase não tem. Pois eu quero proximidade com essas pessoas. Nunca segui o que meus pais queriam e, no meu ponto de vista, sempre me dei bem na vida; por que diabos então eu deveria ouvir qualquer um de vocês que são frustrados??? Fodam-se.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Enfim! Ano novo e definitivamente vida nova!

Só me falta um pouco mais de habilidade para usar a palavra falada da mesma forma que as coisas soam na minha cabeça!