quinta-feira, 25 de setembro de 2008

E agora, José?

(Carlos Drummond de Andrade)
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José ?
e agora, você ?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama protesta,
e agora, José ?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José ?

E agora, José ?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio - e agora ?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora ?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José !

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José !
José, pra onde ?
_____________________
Li isso milhares de vezes na minha infância. Marcou. Gosto.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Autenticidade Incomoda

(por Alexandre Pelegi)
Quando Zezé di Camargo convidou Caetano Veloso para participar da produção musical de seu filme, ele disse que o fizera porque Caetano era um "atestado de qualidade". Por trás do que Zezé disse estava, na verdade, a busca de um aval que validasse sua obra junto àqueles que, por princípio, respondem somente aos impulsos da soberba, da arrogância ou da prepotência. Conheço muita gente que, com medo de ser flagrada assistindo à história de vida de uma dupla sertaneja, assistiu a "Dois Filhos de Francisco" graças à desculpa de que, afinal, a trilha era do incensado compositor baiano...

Curioso que tais pessoas sejam rotuladas como "formadoras de opinião", apesar de não possuírem opinião própria... Precisam de personalidades para validar seus gostos e preferências. Gente que diz que gosta porque ouviu dizer que é bom...

Isso vale não só para gostos musicais, literários ou culinários, mas também para definições físicas. Repare na ditadura das academias, da moda, e até mesmo – pasmem – das religiões. Somos identificados pelo que usamos, vestimos, comemos, consumimos e até pelo que acreditamos.

Esse maniqueísmo esconde o preconceito e o desespero diante de um mundo que é composto de matizes e cores que, nem sempre, fazem bem aos olhos de todos, nem aos gostos de muitos. Afinal, a liberdade de escolha pressupõe a liberdade de pensar. Quem se guia por modismos e pretensos gurus não se delicia com a antecedência da escolha. Não se dá ao gozo de conhecer para decidir se gosta, nem ao prazer de descobrir a beleza escondida no mundo.

Você gosta porque gosta? Ou tem vergonha de ouvir aquele bolero porque amigos dizem que é brega?

Você cultua sua religiosidade porque tão somente acredita, ou se esconde atrás de falsos mitos por ouvir dizer que fé é coisa de pobre?

Quem se guia apenas pelo coração e pelo prazer da descoberta é gente autêntica. Autenticidade faz bem, e talvez seja por isso que incomoda horrores...

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Gosto // Não gosto

Gosto de animais. gosto de comer. gosto de sorvete. gosto da lua. gosto de conhecer pessoas legais(mesmo que eu só as veja uma vez na vida). gosto de estrelinhas de glitter. gosto de escrever numa agenda. gosto de jantar com meu namorado assistindo horário político(e raxando). gosto de sentir o vento forte. gosto de tempo de chuva. gosto do cheiro das pessoas(desde que elas tenham cheiro e não fedor). gosto de carinho, beijo no rosto e de abraço forte. gosto de morphine e de dresden dolls. também gosto de dona zica e cordel do fogo encantado. gosto do meu black metal from hell. gosto de cabelo vermelho. gosto da combinação de verde com laranja. gosto de guardar flores secas. gosto de pedras. gosto de sandália baixa. gosto de jogar xadrez. gosto de saber da vida dos outros(só pra saber, acho legal ver o quanto as pessoas são diferentes).

Não gosto de quem se diz digno e maltrata animais. não gosto de menstruação(iec.).não gosto de usar sutiãn(mas uso, tsc). não gosto de sooooooolllll. não gosto de andar de ônibus em dias quentes. não gosto de ver as pessoas tristes(não sou muito boa em animar os outros). não gosto de gente preconceituosa. não gosto de gente desconhecida que vem perguntar da minha vida. não gosto do GG, do Vitor e do Cezin(seus toscos).

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Gegê...

Vai cagar ¬¬

*Só porque [vírgula]seu niver[vírgula] tá chegando[vírgula] que eu perdi meu tempo[vírgula] escrevendo[vírgula] seu nome aqui[vírgula mesmo] você sabe que não merece[vírgula mesmo] tsc

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Somos tristes transeuntes de uma realidade que insta entre o chorar e a falta de ânimo. Como diria Móveis, "sou apenas mais um alegre deprê". Não se nega o ser, e o ser é triste, é depressivo e melancólico. Não se nega a realidade, e ela não é feita de rosas. Somos tristes transeuntes de uma realidade que insta entre o chorar e a falta de ânimo. A alegria momentânea e o riso são imagem da realidade ilusória na qual todos permeiam em algum momento, mas a verdade, meu caro, é que o ser é triste em sua essência. Mas... Qual seria a graça dessa realidade ilusória se não fosse o fato de conhecer a dor e o sofrimento? Qual seria a graça se eu não exagerasse e chorasse como uma criança sempre que posso ou quero ou me sinto assim, desse jeito que ninguém sabe como é porque só eu sinto(como todos pensam)? Sou apenas mais uma alegre deprê, no fim das contas.