domingo, 27 de julho de 2008

Minha experiência com Batman

Estávamos eu, meu namorado, meu patrão e mais dois amigos no cinema. Fomos assistir aquele filme do Batman que todos estavam falando que é muito bom. Pra começar acho que deviam mudar o nome do filme para "Coringa", ele sempre rouba a cena totalmente.
Anyway, estávamos lá. São 4 poltronas no canto, como estávamos em cinco, sentamos eu e meu namordado na fileira de cima, ficando duas poltronas vazias do meu lado. Numa delas estava a minha mochila.
Lá pelas 10 minutos de filme rodado chega uma moça meio acima do peso, loira, bem arrumada, de bolsa e tudo e senta na poltrona que sobrou do lado da minha mochila. Até aí tudo bem, normal, algumas pessoas vão ao cinema sozinhas e eu até gosto disso de vez em quando.
Só que...
Poucos segundos depois a tal moça começou a conversar sozinha. Pensei eu com meus botões "ela pode estar no telefone, de fone de ouvido, mas por que uma passoa paragia pra vir no cinema e ficar no telefone?"... Fiquei olhando e olhando e nada de ver fio de foninho nem nada... Beleza, dez minutos se passaram e as pessoas ocmeçaram a ficar realmente incomodadas. "Shhhhhh" elas faziam, e a moça do meu lado sussurrando "fica calada, as pessoas não gostam que você fique conversando".
Caralho.!
Tudo bem, meia hora... e nada da mulher calar a boca. Comecei a ficar com medo e tirei minha mochila do lado dela e coloquei no chão junto dos meus pés. Meu amigo que estava sentado na frente dela já tinha colocado os foninhos de ouvido dele e começado a ouvir música.
Como uma pessoa pode ficar meia hora conversando sozinha? Ela contava casos e repetia algumas falas do filme... Até as risadas do Coringa. *Medo*
Lá pela uma hora e meia de filme, e a mulher sem se calar por nem um único segundo, ela vira diretamente pra mim, que olhava revoltada pra ela, e diz que "a Franciele tem tique nervoso". Olhei pra frente, olhei pro outro lado... Cacete, que mulher estranha. Poucos segundos depois ouvi ela dizer que não queria um filhotinho(em voz manhosa).
Eu já nem lia mais as legendas do filme, esperava ela repetir em português mesmo. E o Batman voava de um prédio a outro e ela "é o Baaaaatmaaaannn". Hahahahahahaha, não moça, eh o Super-Homem.! Todo mundo perto dagente começou a rir.
Com duas horas de filme eu já tava louca.! "Pelamodideus moça, abaixa o volume um pouquinho, por favor.!" disse eu mandando a mão no banco vazio. Eu já tinha pensado em jogar a bolsa e o tamanco dela lá na frente pra ver se ela ia atrás. Porra. *Olhar assustado* "Tudo bem". "Obrigada" *sinal de jóia*.
Dez minutos depois ela voltou a conversar, mas dessa vez mais baixo. Consegui terminar de ver o filme. Meu amigo na frente dela disse que ela ficou chutando a poltrona dele todo o tempo, e num ritmo ainda.!
Cara, nunca vi isso, a mulher mais loooooooooouca que eu já vi, solta. Algumas pessoas disseram que ela era esquizofrênica, outras que ela via espíritos e que esssa tal de Franciele morreu no Cine+7(sala onde estávamos) tendo tiques nervosos e a moça estava tentando me avisar.
De qualquer forma, eu nunca mais sento nas poltronas do canto se não tiver alguém confiável dos meus dois lados (e o medo dela avançar no meu pescoço quando falei com ela?).

segunda-feira, 21 de julho de 2008

"Querido Helano,

será que, às vezes, a gente vai com tanta pressa ao encontro de alguém, que se esquece de se levar junto? Será que o Sol, quando é muito forte, faz a sombra chegar primeiro do que a gente? Será que é assim que tudo se acaba? Ou nem mesmo começa? Acordei com uma fresta de luz brincando na cama, o sol deitando a sombra das folhas em minhas pálpebras. E era tão bonito e simples ver a luz pintando os móveis de colorido que entendi o fim de um casamento: nenhum amor floresce preso numa casa, sem contemplar, por instantes, a luz de uma tarde... Então, guardei aquela fotografia por dentro dos meus olhos para quando eu olhar você. E você, como sempre, não me responder palavras, não me escrever palavras, mas quando o Sol for sumindo, me estender sorrindo o seu cachecol xadrez."


(Terceira Carta, de Rita Apoena)

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Tempo

"Há tempo de nascer, e tempo de morrer
há tempo de sorrir, e tempo de chorar
há tempo de comer, e tempo de ficar com fome
há tempo de amar, e tempo de odiar
há tempo de pular, e tempo de cair
há tempo de ganhar, e tempo de perder
há tempo de aceitar o que foi dito, e tempo de ficar revoltado
há tempo de guardar, e tempo de jogar fora
há tempo de ver, e tempo de fechar os olhos
há tempo de escutar, e tempo de tampar os ouvidos
há tempo de falar, e tempo de ficar quieto
pra tudo há seu tempo, basta saber administrá-lo"

- Autor Desconhecido

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Se...

Se você se sente bem a partir do momento em q põe os pés na rua, e entra em desespero só de pensar em passar mais tempo em casa... você tem algum problema mental?