segunda-feira, 21 de julho de 2008

"Querido Helano,

será que, às vezes, a gente vai com tanta pressa ao encontro de alguém, que se esquece de se levar junto? Será que o Sol, quando é muito forte, faz a sombra chegar primeiro do que a gente? Será que é assim que tudo se acaba? Ou nem mesmo começa? Acordei com uma fresta de luz brincando na cama, o sol deitando a sombra das folhas em minhas pálpebras. E era tão bonito e simples ver a luz pintando os móveis de colorido que entendi o fim de um casamento: nenhum amor floresce preso numa casa, sem contemplar, por instantes, a luz de uma tarde... Então, guardei aquela fotografia por dentro dos meus olhos para quando eu olhar você. E você, como sempre, não me responder palavras, não me escrever palavras, mas quando o Sol for sumindo, me estender sorrindo o seu cachecol xadrez."


(Terceira Carta, de Rita Apoena)

2 comentários:

* hemisfério norte disse...

a minha sombra anda sempre descontrolada.
por isso às vezes perco-me em palavras.
bjs
a.

~pi disse...

se ir

ir

com


~