sábado, 2 de junho de 2007

Reticências

Os dias passam...Tão frios.
Sorrisos, brincadeiras, papos legais, sem brigas... Mas está tudo tão frio.
O sol tenta, em vão, me aquecer.
O sol que surge por entre rostos, casas, ruas e computadores não me aquece... Ele tenta, mas não me aquece.
Me repito, sempre me repito, uso sempre as mesmas palavras... Imploro... Ele não me aquece. Então os dias passam... frios.

A chuva cai, molha minha pele, ressecada pelo frio. A chuva cai, molha meu rosto e esconde minhas lágrimas. A chuva cai, enche as poças e eu pulo. Eu brinco. Eu corro e sorrio. Pra esconder minhas lágrimas. Pois na verdade, estou com tanto frio nessa chuva. E o sol que aparece, fraco, entre as nuvens... Ahhh, tão distante.

E essa voz, esse rosto que não conheço, que me assombra... em noites frias. E esse ser que me chama... Que quer dividir algo comigo...
Será um fantasma? Querendo ajuda para carregar seus problemas...
Será uma lembrança? Que talvez pra não sofrer eu a tenha apagado...
Será alguém... querendo um abraço quente nesses dias tao frios...

E a borboleta negra voa... Corta o vento frio, ou o vento frio corta suas asas... Ela tem tão pouco tempo de vida, então voa. Sem muitas reticências, apenas voa.
Eu queria voar, pra perto do sol. Os dias passam... Tão frios.

Nenhum comentário: