quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Matadouro

(Rogério Skylab)

Quanta saudade dos antigos matadouros,
Da vaca prenha abatida sem perdão,
Dos bezerrinhos que gritavam em agonia,
Do sangue quente espalhado pelo chão.
Quanta saudade das mosquinhas varejeiras,
Dos velhos tempos de mulheres e homens sãos,
Dos viadinhos pendurados no curtume,
Do jeito simples de viver uma paixão.
Vem cá, meu bem.
Me dê a mão, vamos sair pra ver o sol.
Aí então, vou te mostrar o amor pungente
Dos animais.
Ah! Ah! Ah!

Quanta saudade dos antigos açougueiros,
Da alegria em cortar, esquartejar,
Da carne seca pelo sol do meio-dia,
Desse sertão que até parece ser tantã.
Quanta saudade do vermelho mais vermelho,
Do cheiro podre de carniça pelo ar,
Do vento forte que abre todas as porteiras,
Da estrebaria, do chiqueiro, dos currais. Vem cá, meu bem.
Me dê a mão, vamos sair pra ver o sol.
Aí então, vou te mostra o amor pungente
Dos animais.
Ah! Ah! Ah!

3 comentários:

Sr Literário em Ruínas disse...

Quanta saudade.

Anônimo disse...

És um autentico imbecil. Realmente não falta "vómito" nesse cerebro.

Delirium disse...

Hehehehe está meio atrasado mas, isso é uma música do Rogério Skylab, um músico crítico. Coloquei aí justamente para as pessoas não gostarem e, diga-se de passagem, nem como carne nem uso couro. =)