quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Desabafo momentâneo.

Eu não entendo qual é o problema da minha família. Minha mãr faleceu há anos e meu pai n faz nada em casa, mas mesmo assim, para eles, eu sou um vegetal. Eu não sei cozinhar, eu não sei lavar roupa, passar, limpar casa, nada... Não que o falecimento da minha mãe tenha me levado a aprender essas coisas, porque desde sempre ela só fez comida quando meu pai vinha em casa, caso contrário ou eu me virava ou passava fome... Mas mesmo assim, eu sinto tanta vontade de abrir a mochila, tirar uma metralhadora e atirar em todo mundo quando me perguntam "e aí Ludmila, aprendeu a cozinhar?" Não, filho da puta, eu morri de fome já, estou aqui na minha forma plasmática. Por que? Por que a única desgraça de filha que estudou a vida inteira em escola pública e ainda assim passou na universidade federal, conseguiu bolsa de intercâmbio, trabalhou desde os 17, etc. tanto por parte de pai quanto por parte de mãe, é também a única filha da puta que os outros cobram de fazer alguma coisa em casa? Por que cada um não cuida da própria vida e da vida dos filhos?

Outra coisa que me irrita são as pessoas acharem que devem mandar no meu futuro. Ah, porque saiu concurso do senado agora, você tem que tentar, que fulano era pobre e hoje tá contruindo uma casa de 800 mil só a reforma... Que se foda, eu não quero ter uma casa que a reforma valha 800 mil reais, eu não quero passar em concurso de senado, cacete, eu quero trabalhar e ganhar meu dinheirinho que dê pra viver e ter um pouquinho de regalias, mas não tentem enfiar goela abaixo a vida que vocês querem porque não, eu não sou tão fútil e vazia quanto vocês. Vai todo mundo tomar no cu.

Gente pra falar "vai fundo, segue o seu caminho e faz o que você quiser. Você sempre mostrou ser responsavel." quase não tem. Pois eu quero proximidade com essas pessoas. Nunca segui o que meus pais queriam e, no meu ponto de vista, sempre me dei bem na vida; por que diabos então eu deveria ouvir qualquer um de vocês que são frustrados??? Fodam-se.

Um comentário:

Larissa Romão disse...

Cara, adoro seu blog. Você é demais. Sempre me emociono e me identifico.